PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

Com linha 2021 chegando, Toyota Hilux chama atenção com versão GR-S

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

08/11/2020 04h00

Como planejava investir em automobilismo no Brasil em 2020, um pouco antes, lá no Salão do Automóvel de São Paulo de 2018, a Toyota aproveitou para colocar em seu estande uma nova versão de sua famosa picape. Isso mesmo, a Hilux GR-S, preparada pela divisão de alta performance Gazoo Racing.

A mesma que dá nome às três equipes da marca na Stock Car nesta temporada. É, não dá para dizer que uma picape grande tenha muito apelo como modelo esportivo para acelerar forte em pista de asfalto. Mas é isso mesmo que a Toyota esclareceu durante o lançamento: a Hilux GR-S, mesmo com esse diferencial, segue com o compromisso de entregar alta performance em trilhas de terra.

Vendida no Brasil desde 2019 como versão limitada, acabou recebendo um novo lote de 500 unidades para suprir a boa recepção no mercado nacional. Conta com duas versões, uma com motor turbodiesel e outra com um V6 movido a gasolina. As alterações são basicamente estéticas, mas o pacote tem um visual inquestionável para quem gosta de chamar atenção.

A grade dianteira preta tem o nome Toyota e o logo GR-Sport, os para-choques têm detalhes em vermelho, traz santantônio, capô e teto preto nas versões com carroceria branca, mais adesivos nas laterais. Dentro, muito detalhe vermelho também com costuras vermelhas no volante, nos bancos e na faixa que percorre todo o painel.

Só suspensão recebeu modificação de verdade

Tirando os detalhes meramente estéticos, a Hilux GR-S tem uma alteração oficial e que envolve o acerto de suspensão. Segundo a Toyota, uma mudança para otimizar a dirigibilidade e a estabilidade da picape, como destaquei antes, para uso preferencial em terra. No caso da versão diesel que dirigi, que usa como base a topo de linha SRX, a diferença pra quem assume o volante é muito sutil.

No uso normal ela não perdeu as características clássicas de uma picape com carroceria montada sobre o chassi, originalmente desenvolvida para o trabalho pesado. Ou seja, mesmo na cidade com piso asfaltado, você pode sentir bem as reações da suspensão. Sem esquecer que a versão vem equipada com pneus de uso misto.

Mesma coisa na hora de acelerar com o motor 2.8 turbodiesel de 177 cv e 45,9 kgfm de torque, também já conhecido da versão SRX, e que não recebeu nenhuma alteração. Assim, para quem realmente busca um apelo esportivo que vá além do visual, melhor optar pela GR-S equipada com o motor 4.0 V6 movido a gasolina e que gera de 234 cavalos de potência.

A transmissão é sempre a automática de seis velocidades, com opção de trocas manuais pela alavanca e dois modos de condução: Eco e Sport.

GR-S V6 entrega mais esportividade e preço melhor

Para completar, vale observar esse detalhe. A Hilux GR-S tem o mesmo bom pacote de equipamentos, independente do motor escolhido. Dessa forma, a versão diesel só vai valer a pena para quem realmente prefere um visual bem chamativo ou que não abre mão desse tipo de combustível. Isso porque, na ponta do lápis, a Hilux GR-S V6 tem preço melhor e, de quebra, entrega um desempenho bem mais alinhado com a proposta esportiva.

Preços:

Toyota Hilux GR-S II 4x4 2.8 Diesel: R$ 241.990
Hilux GR-S II 4x4 V6 4.0 Gasolina: R$ 225.990