PUBLICIDADE
Topo

Corolla híbrido 'bomba' em vendas e mostra caminho para eletrificados

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

18/10/2020 04h00

Quando lançou a nova geração do Corolla no Brasil, a própria Toyota considerava que a versão híbrida seria mais uma boa ferramenta de marketing para o modelo que, todos sabemos, vai muito bem em nosso mercado também.

Pois não é que a história acabou sendo diferente? Sim, um ano após o lançamento da décima segunda geração do Corolla no Brasil - que trouxe como uma das maiores novidades a primeira versão com propulsão híbrida flex do mundo - a marca japonesa tem bons motivos para comemorar.

Com cinco versões de acabamento, o Corolla segue mais líder do que nunca em seu segmento, com destaque para a versão XEi 2.0, responsável por mais da metade dos emplacamentos. Mas ao conferir qual é a segunda versão mais vendida do sedã o que descobrimos? Exatamente, as versões híbridas já representam 19,1% do mix de vendas do Corolla no país.

Sinal indiscutível de que a proposta foi bem aceita pelo brasileiro, além do novo visual do Corolla, agora sensivelmente mais jovial e bonito do que a versão anterior. No entanto, mais do que beleza, isso é resultado do uso da nova plataforma modular - mesma dos modelos Prius e RAV4 - e que permitiu um merecido avanço tecnológico.

Para dar um exemplo direto, o Corolla Hybrid pode vir equipado com o Safety Sense, sistema de alto nível que reúne recursos de direção semiautônoma, como alerta de colisão com frenagem automática de emergência, alerta de saída de faixa e controlador de velocidade adaptativo.

Híbrido mais acessível

Mas sem dúvida é o sistema híbrido que está fazendo toda a diferença para o novo Corolla no Brasil, afinal, ele se tornou também o modelo híbrido mais acessível do nosso mercado, com preços de R$ 137.890 para a versão Altis Hybrid, e R$ 145.390 para a Altis Hybrid Premium. O Corolla Hybrid traz o mesmo conjunto de propulsão do Prius, mas devidamente atualizado para queimar etanol.

Conta com o 1.8 Flex a combustão de 101 cv e 14,5 kgfm de torque, mais dois motores elétricos que geram 72 cv. Juntos, garantem uma potência combinada de 173 cavalos, força mais modesta pensando em um sedã com esse perfil, mas o suficiente para a proposta dele que, não podemos esquecer, tem foco na eficiência energética.

Olha, se o motorista priorizar a condução eficiente, consegue superar fácil os números registrados pelos parâmetros do Inmetro: o consumo médio para cidade/estrada com gasolina é de 16,3 km/l. Número mais comum em modelos compactos, equipados com motores menores e turbinados.

Sucesso alterou ritmo na linha de produção

Não há dúvida de que o Corolla híbrido já cravou seu espaço no Brasil e deve seguir nesse ritmo. Resultado direto já se vê também na linha de produção na fábrica de Indaiatuba-SP. A Toyota confirma que agora a versão híbrida flex já representa 25% da produção do sedã, diferente da época do lançamento do novo modelo, quando o sedã híbrido era responsável por apenas 5% da produção.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.