PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

Compass Trailhawk: andamos na versão que mostra talento off-road do Jeep

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

13/09/2020 04h00

Lá se vão quase quatro anos que a segunda geração do Jeep Compass chegou e não é que ele segue fazendo bastante sucesso, quase como se fosse um modelo recém-chegado. Será que a concorrência está facilitando? Bom, antes de responder, vale uma repassada nesse conhecido SUV médio e em sua versão mais recheada, a Trailhawk.

Mesmo já sendo bem conhecido do brasileiro, um primeiro ponto positivo do Compass é o desenho, que ainda não envelheceu. Fabricado no Polo Automotivo de Goiana - Pernambuco - conta com duas opções de motor 2.0, um flex com tração 4x2 e outro diesel com tração 4x4. A transmissão é sempre automática, de 06 marchas para as versões flex e de 09 para as equipadas com motor turbodiesel.

Outro fato marcante é que desde sua chegada o Compass oferece equipamentos de alto nível, sendo que alguns deles só agora começam a figurar na lista dos modelos médios, como controle de velocidade de cruzeiro adaptativo, monitoramento de mudança de faixa e alerta de colisão frontal. Na versão Trailhawk, esses recursos fazem parte do pacote High Tech.

O astral é positivo também ao passar para dentro, com o bom acabamento, espaço confortável, quadro de instrumentos com tela digital de 7 polegadas e muita conectividade com um sistema multimídia completão. A tela no centro do painel tem de 8,4 polegadas e reúne os comandos do carro e do sistema de som, permite o espelhamento com seu smartphone; os comandos são por toque na tela ou pelos botões no volante.

Selo Trail Rated

Mas na versão Trailhawk é onde confirmamos mais um atrativo de peso do Jeep Compass, seu compromisso com o universo fora de estrada. Além do visual e a tradicional grade de 7 fendas na dianteira, a história começa bem com o motor turbodiesel de 170 cv e 35,7 kgfm de torque. Numa boa pista de asfalto não falta fôlego e prazer ao volante, mas o clima pode ser alterado completamente e ficar mais interessante se o cenário for formado por terrenos acidentados.

Agora, anote aí, sempre com uma característica: o Compass não faz muito alarde em cima disso. Isso porque o motorzão diesel trabalha fácil e bem silencioso, inclusive porque conta com a ajuda da transmissão automática de nove velocidades e o bom isolamento acústico da cabine.

Mas se o assunto é encarar uma pista com muita poeira ou lama, a tração 4x4 com seus 05 modos pode garantir diversão com bastante segurança. Aliás, o Compass Trailhawk não disfarca o orgulho da marca e carrega até o selo trail rated no para-lama dianteiro, símbolo da Jeep que atesta a capacidade off-road de seus utilitários.

E a concorrência?

Mas pra responder a pergunta inicial, não, os concorrentes definitivamente não facilitaram a vida do Compass desde que foi lançado por aqui. Nesse período grandes marcas concorrentes da Jeep lançaram modelos de olho neste segmento e seguem fazendo isso; que o diga a Ford com o chinês Territory.

Mas na prática, o Compass segue bastante tranquilo, a ponto de vender no último mês de agosto quase cinco vezes mais que o segundo colocado no ranking dos SUVs médios, o VW Tiguan. Proporção que se repete no acumulado de vendas do ano!

E olha que ele tem até preço mais salgado que rivais de peso; a versão Trailhawk - que beira os 200 mil reais - é um bom exemplo. Mas a situação tem tudo pra seguir assim, pois em 2021 o Compass vai receber uma boa renovação por aqui.

Errata: o texto foi atualizado
Erro de digitação na palavra 'talento' corrigido.