PUBLICIDADE
Topo

VW Virtus GTS é boa notícia em um mundo cada vez mais recheado de SUVs

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

12/07/2020 04h00

A sigla GTS já fez a cabeça dos fãs da Volkswagen do Brasil nos anos 80 com os modelos Gol e Passat. E como você ficou sabendo, ela voltou acompanhada de um pacote de respeito para vestir dois modelos bem recentes da marca alemã, Polo e Virtus.

Mas o que dizer do Virtus GTS? Mesmo com essa assinatura, ele não deixa de ser um autêntico sedã, modelo originalmente pensado para família, correto? Pois esse é o ponto: no caso dele, segue garantindo o conforto da família sim, mas com uma dose adicional e real de alegria para quem assume o volante.

O Virtus "normal" já tem um acerto de suspensão um pouco mais rígido, detalhe que foi aprimorado na versão GTS. A engenharia da VW alterou carga de molas e amortecedores e também instalou uma barra estabilizadora mais forte.

Na prática, isso dificilmente vai incomodar quem não gosta dessas características; no entanto, faz uma boa diferença para quem busca reações mais alinhadas com a proposta esportiva. Aí entra outro ponto positivo desta receita, o bom motor 1.4 turbo de injeção direta de combustível, que entrega 150 cavalos de potência e 25,5 Kgfm de torque já disponíveis em baixas rotações.

Isso significa que temos um carro sempre esperto nas retomadas de velocidade, algo reforçado pelo trabalho da transmissão automática de seis velocidades com opção de trocas manuais pelas aletas atrás do volante.

Modo de condução esportiva libera ronco virtual

Virtus GTS - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Outro ponto legal do Virtus GTS é a oferta de quatro modos de condução: normal, ecológico, esportivo e individual. No esportivo, obviamente, você tem a chance de colocar mais pimenta no molho e alterar as reações do carro; as trocas de marcha são feitas em rotações mais altas, a direção com assistência elétrica fica mais firme.

Para completar, entra um ronco "virtual" de motor esportivo que vem de um atuador instalado no para-brisa. É algo divertido, mas que certamente irrita os entusiastas da esportividade.

De qualquer forma, meio que para acalmar os menos pacientes com o falso ronco, ele pode garantir diversão com o exclusivo monitor de desempenho na tela do sistema multimídia, onde dá para conferir a pressão do turbo, a força G e até a potência que está sendo liberada durante a aceleração. Traz ainda um cronômetro, bem-vindo recurso para quem frequenta um track day e quer aprimorar os tempos de volta, por exemplo.

Esportivo discreto

Virtus GTS - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Do lado de fora, o Virtus GTS traz um pacote esportivo sim, com direito a friso vermelho e o logo GTS na grade dianteira, para-choque com desenho agressivo, rodas de liga aro 17, faróis e lanternas com iluminação em led, mais um pequeno aerofólio sobre a tampa do porta-malas. Mas dá pra dizer que o clima geral é mais discreto, inclusive do lado de dentro.

Mesmo com os tradicionais detalhes em vermelho no painel de instrumentos, nas saídas de ar, console central e no volante com base achatada, não há exageros. O acabamento é caprichado, melhor até do que o oferecido na versão na Highline - a mais equipada da linha padrão do carro - e os bancos trazem uma mistura de couro e tecido com o encosto inteiriço, o que tem tudo a ver com esportividade.

Sedã para família e conectado

No Virtus GTS, o Active Info Display - painel 100% digital da VW - é item de série; e esse é outro detalhe que traz um ar de refinamento para o carro. Mas o que é legal no lado família, é a oferta de todos os recursos de entretenimento que se espera em um carro desse padrão, incluído aí o pareamento com smartphones Apple Carplay ou Android Auto. O sistema multimídia reúne todos os comandos do carro e do sistema de som.

Aliás, ainda que seja um opcional, o Virtus GTS oferece um projeto de sonorização com direito a amplificador e subwoofer no porta-malas da marca Beats.

Tudo bem amarrado para aproveitar a força de uma sigla tradicional. Considero uma opção interessante no limitado mercado de esportivos de entrada, mesmo sendo pouco acessível: custa R$ 107.990, mas bate nos R$ 111 mil com os opcionais. Mas em tempos onde novos modelos SUV não param de chegar, um sedã esportivo um pouquinho raiz é sim motivo de comemoração.