PUBLICIDADE
Topo

Honda Civic mantém qualidades e fãs, mas parece conformado com 2º lugar

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

07/06/2020 04h00

A décima geração do Honda Civic segue firme e forte por aqui, não exatamente como a marca queria, já que o Toyota Corolla continua sendo a grande referência entre os sedãs médios no Brasil. Mas o Civic não perdeu sua tradicional personalidade - que é bem definida - e mantém aqueles atributos de um bom sedã do andar de cima.

Na linha 2020, continuou praticamente igual; de diferente mesmo, só para-choque dianteiro com a base mais horizontal e apliques cromados - que também aparecem na traseira - e as novas rodas aro 17 de dez raios.

Isso na versão EXL, a mais equipada antes da versão topo, a Touring, porque na Sport as rodas seguem iguais. Mas é justo lembrar que o Civic 2020 recebeu um upgrade de equipamentos e agora, por exemplo, todas as versões têm monitor de pressão dos pneus.

Na versão EXL, que utilizei nesta avaliação, são novidades ainda chave presencial, o sensor de chuva e as saídas de ar-condicionado para o banco traseiro.

Civic EXL entrega bom pacote de itens de conforto e segurança

Para quem pode optar pela versão EXL, mantém aquele acabamento escurecido, um tanto discreto, mas bem feito; traz volante multifuncional com paddle shifts para trocas manuais simuladas, painel de instrumentos com informações digitais, uma boa tela multimídia com comandos por toque, câmera de ré, ar-condicionado digital, entre outros.

Em questão de segurança, tem freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem, assistente de partida em rampa, 06 airbags, sistema isofix para fixação de cadeirinhas infantis e ainda controles eletrônicos de tração e estabilidade. Sem esquecer que o espaço para os passageiros é generoso, assim como o porta-malas com capacidade para 519 litros.

Direção esportiva é ponto forte

civic exl - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A tradicional posição de guiar oferecida pelo Civic também é algo que não foi alterada, mas neste caso, isso é motivo de comemoração para quem aprecia a condução mais esportiva, que permite maior sensibilidade ao volante.

No Civic é possível ajustar o banco bem próximo do chão, ação mais difícil de realizar no Corolla. Mas nada que comprometa o conforto, pois o acerto de suspensão - mesmo um pouquinho mais rígido - não tira dele o título de sedã confortável.

A versão EXL utiliza somente o motor flex 2.0 de 155 cavalos de potência e 19,5 Kgfm de torque, com a transmissão automática do tipo CVT. Um conjunto que entrega boa relação entre desempenho e conforto, mas longe da empolgação e da eficiência em consumo de um motor turbinado - opção já adotada por seus principais concorrentes - mas que na linha Civic, ainda é exclusividade da versão Touring com o 1.5 turbo de 173 cv.

Conformado com o segundo lugar?

civic exl - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Com poucas novidades, o Civic não conseguiu conter o avanço do seu principal rival e parece seguir conformado com a condição de vice-líder de vendas no Brasil. Mesmo agora com a queda bruta de vendas causada pela quarentena, o Civic se mantém em segundo lugar, com o Corolla vendendo mais do que o dobro, exatamente como foi em 2019.

O Civic não perdeu as qualidades que agradam muito o seu público fiel, mas para recuperar o fôlego no mercado de verdade, vai precisar de mudanças profundas, algo que o seu principal rival já fez. Mas no caso do Civic, isso só deve acontecer na virada de 2021 para 2022.

Honda Civic EXL

Preço: R$ 114.100,00

Motor: 2.0 16V de 155 cv e 19,5 Kgfm torque
Transmissão: CVT com Paddle Shifts
Comprimento: 4,64 m
Altura: 1,43 m
Largura: 1,80 m
Entre-eixos: 2,70m
Porta-malas: 519 litros
Rodas: liga leve aro 17