PUBLICIDADE
Topo

Filtro de ar: por que troca ajuda seu carro a economizar combustível

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

12/04/2020 04h00

O filtro de ar do motor é mais um item do automóvel que tem vida útil limitada. Isso significa que precisa ser trocado depois de um período de uso para evitar problemas no funcionamento do motor e também para não prejudicar outros componentes. Então é preciso se lembrar dele e saber se chegou o momento de troca.

Antes de falar do filtro de ar, tem um detalhe importante. Lembre-se que, em um automóvel, existem dois tipos: o do motor e o de cabine, esse aplicado para proteger o interior do carro. Os dois são muito parecidos, mas cada um trabalha para um sistema diferente.

No caso do motor, o filtro de ar está ali para absorver e separar as impurezas. Essa filtragem é dividida em duas operações distintas: as partículas mais pesadas vão para o fundo do filtro, enquanto as mais leves são retidas no elemento filtrante, aquela parte que é visível e que tem um formato sanfonado.

Para você ter uma ideia da eficiência desse componente, saiba que um filtro de ar de motor é capaz de reter partículas de até um mícron, a milésima parte do milímetro. Para ficar bem claro, vale a comparação: um grão de pó de talco tem quinze microns.

Produzido em diferentes formatos de acordo com o projeto do carro, o filtro do motor é fundamental para garantir que o ar que entra pelo coletor de admissão chegue limpo à câmara de combustão. Essa é uma das condições necessárias para obter a mistura ideal de ar e combustível para a queima durante o processo combustão.

Para saber se chegou hora de trocar o filtro de ar do motor do seu carro, comece pelo básico e confira o que diz o fabricante. A recomendação padrão é fazer a revisão do sistema e a substituição do componente a cada 10 mil quilômetros rodados.

Considere as condições de uso do automóvel

É bastante importante considerar também as condições de uso do seu carro. Por exemplo: o filtro de um carro que anda muito em estrada de terra, certamente vai se degradar muito mais rápido do que aquele que é utilizado a maior parte do tempo na cidade.

E seja qual for sua condição, é sempre válido sim uma checagem visual, porque se perceber que o filtro está com muita sujeira acumulada e escurecido, é certo que ele já perdeu a capacidade de reter contaminantes e precisa ser trocado.

Atenção aos sinais que o motor envia

Alguns sinais comuns, como perda de potência em retomadas e principalmente o aumento do consumo de combustível, indicam que há problemas no sistema de alimentação - um filtro de ar sujo ou danificado pode ser a causa.

Aqui vale lembrar que o filtro de ar é um componente muito simples de ser trocado, tem preço acessível e, preste atenção: vai custar bem menos do que uma revisão completa no sistema de alimentação em caso de problema.

E, para encerrar o tema, outra dica básica: não tente salvar o filtro de ar sujo lavando com água e sabão, porque a chance de comprometer a eficiência do elemento filtrante é muito grande. Ou seja, se já estava ruim, vai ficar muito pior.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado, o mícron é a milésima parte de um milímetro, e não a milionésima parte. A informação foi corrigida.