PUBLICIDADE
Topo

AutoData

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Como guerra na Ucrânia deve afetar mercado automotivo em todo o mundo

Ford foi uma das montadoras que suspenderam operações na Rússia devido à guerra - Yevgeny ASMOLOV/INTERPRES /AFP
Ford foi uma das montadoras que suspenderam operações na Rússia devido à guerra Imagem: Yevgeny ASMOLOV/INTERPRES /AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Alves

Neste espaço a equipe de AutoData, sob a coordenação do diretor de redação Leandro Alves, trará os bastidores da indústria automotiva, que são de extrema importância para os negócios e o futuro do setor no Brasil e no mundo. Seu próximo carro pode passar primeiro por aqui. Antes mesmo dele existir! Conheça nosso trabalho em www.autodata.com.br

Colunista do UOL

04/03/2022 04h00

Os efeitos da primeira semana de conflito no Leste da Europa já afetam diversas atividades industriais. No mundo automotivo não é diferente. E o resultado de atitudes individuais de empresas fabricantes de veículos e sistemistas e de produtores de autopeças poderá ter um impacto ainda inimaginável nas operações em diversos países, inclusive no Brasil.

Na quinta-feira, 3, a Volkswagen se juntou a outras gigantes do setor e anunciou a paralisação das suas atividades nas unidades fabris russas de Kaluga, Nizhny e Novgorod, próximas às fronteiras com Bielorrússia e Letônia. E também escreveu no Twitter que está suspendendo imediatamente a exportação de veículos para a Rússia.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

Ainda comentou naquela rede social que, mesmo lamentando a situação que levou a essa decisão radical, manterá seu compromisso com os funcionários afetados pela paralisação na Rússia: todos receberão uma parte do salário como benefício pago pela Volkswagen.

A partir desta sexta-feira, 4, a Toyota, com fábrica em São Petersburgo, diz que também interromperá a fabricação de veículos. Desde 1º de março a Ford, que mantém joint-venture com a Sollers, da qual administra 50%, suspendeu a produção "até novo aviso".

No segmento de veículos pesados a Daimler e a Volvo Caminhões avisaram que paralisaram suas operações de produção e vendas na Rússia. No caso da Daimler Trucks isso inclui sua joint-venture com a Kamaz, importante fabricante local.

Todas essas empresas dizem que estão analisando constantemente o desenrolar do conflito armado e que podem rever suas decisões a qualquer momento.

É o que estão fazendo neste momento as marcas que exportam veículos para a Rússia que decidiram interromper temporariamente suas operações: General Motors, Honda, Jaguar Land Rover e Aston Martin são algumas delas.

As empresas do Reino Unido, inclusive, afirmaram que por causa dos desafios comerciais e logísticos dessas operações, mas, também, em apoio às sanções comerciais impostas pelo seu país de origem, tomaram a decisão de não enviar mais produtos à Rússia.

A Volvo Cars foi além e anunciou que suspendeu a exportação de veículos por causa de "riscos potenciais associados ao comércio de produtos com a Rússia, incluindo sanções dos Estados Unidos e da União Europeia". A empresa abastece o mercado russo a partir de suas fábricas instaladas na China, nos Estados Unidos e na Suécia, e aguarda o andar da carruagem no conflito para retomar suas operações comerciais no país.

Estes são impactos imediatos da crise Ucrânia-Rússia. O que está por vir pode ser ainda muito pior para a indústria automotiva. E os primeiros sinais amarelos começam a surgir. A Alemanha, por exemplo: por causa da guerra poderá não atingir o seu objetivo de colocar nas ruas, até 2030, os 15 milhões de veículos elétricos necessários para reduzir significativamente as emissões.

O Estado alemão estabeleceu uma meta provisória de redução de 48,1% nas emissões de gases de efeito estufa provenientes do setor de transporte de 1990 até 2030. Segundo a empresa de análise de riscos GlobalData a crise tem prejudicado o abastecimento de níquel, elemento essencial na produção das baterias para os carros elétricos.

A Rússia é o terceiro maior produtor de níquel do mundo. A incerteza do abastecimento dessa matéria-prima fez o preço do níquel subir 18% no ano passado, ultrapassando os US$ 24 mil por tonelada. O que virá a seguir é uma incógnita que pode atrasar por muito tempo o ritmo de produção dos veículos elétricos. Comprometendo toda uma cadeia global de fornecimento.

Além das unidades na Rússia a Volkswagen teve prejudicada sua produção em duas fábricas no Leste da Alemanha justamente porque a guerra interrompeu as entregas de peças importantes vindas a partir do Oeste da Ucrânia.

Se esse conflito continuar é uma questão de tempo para outras empresas europeias suspenderem suas operações. Não bastasse a crise dos semicondutores agora a indústria vê uma possível recuperação das vendas globais, mesmo que tímida, refém de uma guerra.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.