PUBLICIDADE
Topo

AutoData

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Locadoras deixarão de comprar 400 mil veículos em 2021

Divulgação
Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Alves

Neste espaço a equipe de AutoData, sob a coordenação do diretor de redação Leandro Alves, trará os bastidores da indústria automotiva, que são de extrema importância para os negócios e o futuro do setor no Brasil e no mundo. Seu próximo carro pode passar primeiro por aqui. Antes mesmo dele existir! Conheça nosso trabalho em www.autodata.com.br

Colunista do UOL*

23/07/2021 13h37

Quem está vacinado e pensa em viajar nas próximas férias pode encontrar dificuldades para alugar um veículo. A falta de opções e até da disponibilidade está ameaçada. É que apenas metade dos 800 mil veículos que as locadoras pretendiam comprar em 2021 serão efetivamente adquiridos, calcula a Abla, entidade que representa o segmento de locação. Segundo o presidente Paulo Miguel Júnior a realidade "é que as montadoras não têm carros para entregar".

Assim como outras entidades ligadas ao universo automotivo revisaram recentemente suas expectativas para o mercado interno este ano, a Abla também teve que diminuir seu apetite por carros zero km.

A nova projeção da entidade, de 380 mil a 400 mil automóveis e comerciais leves adquiridos, é ainda inferior à estimada em março, de 450 mil unidades. Na ocasião já havia ao menos 200 mil pedidos em aberto, com espera que chegava a 180 dias.

As interrupções na produção por falta de componentes, especialmente semicondutores, fizeram as locadoras diminuírem ainda mais seus investimentos em 2021: "A queda é impactante frente ao total de carros que o setor compraria, não fossem as consequências dessa pandemia".

A Abla calcula em R$ 22 bilhões a perda de receita das empresas fabricantes de veículos, considerando o volume que não será comprado multiplicado pelo tíquete médio de compra do setor, em torno de R$ 60 mil.

Segundo Miguel Júnior "nossa expectativa é a de que o mercado de veículos só volte à normalidade em 2022".

* Colaborou André Barros

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL