PUBLICIDADE
Topo

AutoData

Vendas de 2020 reagem e podem superar expectativas de Anfavea e Fenabrave

Divulgação
Imagem: Divulgação
Leandro Alves

Neste espaço a equipe de AutoData, sob a coordenação do diretor de redação Leandro Alves, trará os bastidores da indústria automotiva, que são de extrema importância para os negócios e o futuro do setor no Brasil e no mundo. Seu próximo carro pode passar primeiro por aqui. Antes mesmo dele existir! Conheça nosso trabalho em www.autodata.com.br

Colunista do UOL

09/10/2020 04h00

Com o encerramento do terceiro trimestre e 1,3 milhão de veículos vendidos, tanto a Anfavea, associação que representa as montadoras, quanto a Fenabrave, entidade que defende os interesses da rede de distribuição, corrigiram suas projeções para 2020. Elas são semelhantes e estão separadas por 58 mil veículos: 1 milhão 925 mil unidades segundo a Anfavea e 1 milhão 983 mil unidades da Fenabrave, esta mais perto da faixa de 2 milhões.

Se compararmos a janeiro, quando a pandemia ainda era um assunto distante, restrito à China, as novas estimativas são decepcionantes. Falava-se em vender 3 milhões de veículos por aqui, quem sabe mais, com a Selic em queda, os bancos voltando a irrigar o mercado de crédito e preços menores - que vieram, mesmo com a pandemia.

Mas olhando para julho, com a primeira revisão dos volumes de vendas, as projeções anunciadas no começo deste mês são positivas. A Anfavea adicionou 250 mil unidades ao volume estimado - é mais de um mês de vendas: setembro fechou com 207,7 mil licenciamentos. A Fenabrave adicionou mais de 200 mil veículos aos seus números.

Significa que o mercado reagiu, os consumidores voltaram a comprar, o crédito disponível e barato está ajudando a vender automóveis e os lançamentos caíram no gosto dos clientes.

Uma análise mais profunda, porém, indica que as duas entidades podem estar com excesso de cautela. O último trimestre é tradicionalmente o mais promissor em termos de volume: no ano passado 27% das vendas foram feitas no período de outubro a dezembro.

Então não seria nada exagerado imaginar volume de licenciamentos superior a 200 mil unidades nos últimos três meses do ano. Por que não 625 mil em três meses, para superar a barreira das 2 milhões de unidades?

Claro, são contas no guardanapo do bar projetando volumes, mas nada inatingíveis. Tanto que alguns presidentes de montadoras acreditam na possibilidade de 2020 fechar em 2 milhões de veículos vendidos. Anfavea e Fenabrave têm seus pontos prós e contras para chegar àqueles números. Mas, certamente, ambas torcem para errar para baixo.

FCA comemora. Já dissemos aqui que a Fiat Strada liderou as vendas em setembro e que a Fiat registrou bom desempenho no mês. Mas o que dizer da Jeep? As vendas, em setembro, cresceram 10% sobre setembro de 2019.

Criado no Brasil. O SUV que a Jeep produzirá em Goiana, PE, é um projeto originalmente brasileiro e possivelmente será montado em outras fábricas do Grupo FCA ao redor do mundo. Mais um desenvolvimento da engenharia nacional com potencial de ser exportado - o Volkswagen Nivus é outro exemplo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.