PUBLICIDADE
Topo

Fernando Calmon

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

GNV: saiba quanto você precisa rodar por ano para conversão valer a pena

Com gasolina cara, GNV é alternativa para gastar menos no abastecimento, mas instalação exige cuidados e carro passa por inspeção anual - Ricardo Borges/Folhapress
Com gasolina cara, GNV é alternativa para gastar menos no abastecimento, mas instalação exige cuidados e carro passa por inspeção anual Imagem: Ricardo Borges/Folhapress
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fernando Calmon

Fernando Calmon, engenheiro, jornalista e consultor, dirigiu a revista Auto Esporte e apresentou diversos programas de TV. Escreve às terças-feiras.

Colunista do UOL

30/03/2022 10h28Atualizada em 30/03/2022 10h28

Sempre que há um reajuste mais forte nos combustíveis para automóveis (gasolina e etanol), como ocorre agora, aumenta a procura por kits de GNV (gás natural veicular). Não se trata propriamente de uma conversão porque não há mudanças de grande extensão nos motores a gasolina ou flex. Por outro lado, há necessidade de respeitar as normas técnicas e seguir toda a legislação para uma instalação segura.

O cálculo para saber se vale a pena o investimento depende da quilometragem anual percorrida. No caso de táxis e carros de aplicativo que costumam rodar 50.000 km/ano a economia chega a R$ 15 mil em 12 meses: uma vantagem financeira de peso.

Quanto aos demais motoristas é preciso fazer contas. Um kit GNV instalado e legalizado custa hoje em torno de R$ 5.000 e cada inspeção anual, R$ 300. Há ainda uma inspeção especial a cada cinco anos. Trata-se de um teste hidrostático para avaliar a integridade do cilindro e o preço fica em torno de R$ 350. Em relação aos incentivos, há um desconto de 62% no IPVA, no Estado do Rio de Janeiro, mas no Estado de São Paulo é bem menor, 25%, semelhante a outros Estados.

Aos preços médios atuais do GNV, em torno de R$ 5,00/m³, os vendedores de kit GNV estimam que é vantajoso a instalação para quem roda em torno de 25.000 km/ano. Não se trata de regra exata, pois há outros custos envolvidos. O peso adicional dos cilindros reflete na durabilidade de pneus, molas e amortecedores e isso precisa ser levado em conta.

Na venda do carro usado há uma tendência de desvalorização maior, quando o cilindro é retirado para colocação em outro veículo. Os furos de fixação na estrutura ficam e os lojistas de veículos usados costumam depreciar.

Outro problema é o número elevado de carros sem regularização, segundo a Associação Nacional dos Organismos de Inspeção. Pesquisa feita nos 37 maiores postos de GNV na Grande São Paulo indica que 70% dos 3.000 veículos que abasteciam não tinham registro no Renavam. A checagem obrigatória não ocorre em muitos casos porque a inspeção avalia o veículo como um todo e quem tem alguma pendência teme ser reprovado.

Na medida que esses veículos envelhecem os riscos de explosão ao abastecer aumentam, se as inspeções deixarem de ser feitas.

Picape Ram 3500 é superlativa até no preço

Ram 3500 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Apesar de dimensões praticamente iguais aos modelos 2500 e 1500, a topo da linha Ram, a 3500, oferece mais equipamentos, além de carga útil (1.752 kg) e de reboque (9.081 kg) superiores. O motor diesel de 377 cv/117 kgfm ganhou 12 cv (3 cv e 7 kgf.m extras), mas com peso em ordem de marcha (3.600 kg) maior que a 2500 o desempenho acaba sendo o mesmo.

Ram 3500 dispõe de estribos laterais retráteis elétricos (fixos na Laramie, de entrada) e acabamento interno superior, incluindo apliques de madeira legítima. Volante só permite ajuste manual de altura, mas a regulagem dos pedais é elétrica. Central multimídia tem tela de 12 pol. e conexão sem fio. No console central cabe um laptop de 15 pol. e inclui duas tomadas de 115 V. Há nove portas USB, o que atende também os passageiros do banco traseiro.

Novidade da versão Longhorn é o equivalente à quinta roda dos caminhões no centro do assoalho da caçamba, que permite a capacidade máxima de reboque. Um modo de utilização rara no Brasil. Ram 3500 exige carteira de habilitação categoria C, igual à de motoristas de caminhões.

Os preços vão de R$ 484.990 a 529.990.

Alta Roda

+ Mitsubishi Eclipse Cross 2023 chega com modificações estéticas que corrigem pontos polêmicos da versão anterior. Conjunto óptico frontal ficou melhor com a DRL em posição mais alta. Foi eliminado o vidro-espia da tampa do porta-malas. Apesar de o volume deste ter decrescido de 473 litros para 451 litros, o formato agora permite acomodar melhor a bagagem, argumenta a Mitsubishi. Para-choques novos alongaram o comprimento total em 14 cm (agora, 4,54 m). Na versão de topo a central multimídia JBL tem apenas sete polegadas. Pacote de segurança ativa inclui mitigação de colisão frontal. Preços: R$ 186.990 a R$ 232.990.

+ Mercedes-Benz Classe C chega à sexta geração perdendo sisudez e com aposta na esportividade. O C 200 AMG Line ganhou 2,5 cm na distância entre eixos, melhorando o espaço interno. Interior foi totalmente renovado com destaques para a central multimídia de 11,9 pol. e quadro de instrumentos digital. No dia a dia o motor 1,5 turbo de 204 cv entrega desempenho um pouco abaixo do desejável nessa faixa de preço, embora a relação peso-potência de 8,1 kg/cv seja razoável para uma versão de entrada (no C 300, 258 cv e 6,5 kg/cv). Comportamento em curvas, freios e precisão de direção, impecáveis.

+ Toyota Corolla Cross e Hilux ganham versão GR-S. O crossover recebeu para-choque com tomadas de ar maiores na dianteira, novas rodas (18 polegadas) e opção de teto preto: R$ 188.490. Na picape, potência subiu para 224 cv e torque para 55 kgfm. Há molas e amortecedores reforçados, novas rodas (17 pol.) e apliques externos e internos que caracterizam bem a nova versão: R$ 348.790.