PUBLICIDADE
Topo

VW Virtus GTS: sedã tem estilo atraente, bom desempenho e preço salgado

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

21/07/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Versão esportiva do Virtus tem bom desempenho, mas custa caro
  • Carro sai por R$ 107.990 e passa de R$ 111 mil com todos os opcionais
  • Sedã tem motor 1.4 turbo de 150 cv e suspensão com ajuste exclusivo

Os fãs de esportivos nacionais entraram em polvorosa quando a Volkswagen anunciou a volta da sigla GTS. E foi logo em dose dupla: Polo e Virtus ganharam versões esportivas no começo deste ano.

É verdade que uma parcela dos entusiastas se decepcionou com algumas decisões da marca, como a de não oferecer câmbio manual nem uma suspensão mais rebaixada, características tão apreciadas por quem realmente é apaixonado por carros de alto desempenho.

Mesmo assim, a decisão de trazer uma versão esportiva nacional, sobretudo no segmento de sedãs compactos, causou surpresa. A gente já sabe que o Polo GTS anda bem, mas como será que o Virtus se comporta? Se você também tem essa dúvida, descubra com a gente.

Divulgação

Volswagen Virtus GTS

Preço

R$ 107.990
Carros
4,6 /5
USUÁRIOS
3,9 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Números com gasolina são muito bons, especialmente na estrada; com etanol, são regulares

O motor 1.4 TSI é mais do que suficiente para abrir um largo sorriso no rosto de quem dirige. Estabilidade impecável nas curvas.

Estilo moderno do Virtus ficou ainda mais atraente com a roupagem esportiva.

Boa lista de equipamentos inclui seletor de modos de condução e painel digital

Espaço generoso para as pernas de quem viaja atrás e porta-malas grande satisfazem as famílias

VW oferece três primeiras revisões grátis; fique esperto com o seguro, que tende a ser mais caro por ser uma versão esportiva

A VW desliza ao não oferecer airbags do tipo cortina - nem como opcionais.

Pontos Positivos

  • Design
  • Desempenho

Pontos Negativos

  • Segurança
  • Acabamento interno

Veredito

O Virtus GTS é feito para um público específico e é por isso que vende pouco. Mas existe outro motivo para que o sedã não seja tão fácil de ser visto nas ruas: o preço. Por R$ 108 mil é possível levar um sedã médio, como o próprio Jetta, que pode ser encontrado com desconto nas concessionárias. Além disso, quem compra um carro esportivo costuma preferir hatches como o Polo, fazendo do Virtus um modelo ainda mais de nicho. Mesmo assim, se você está disposto a pagar caro por ele, não vai se arrepender. Até porque diversão ele entrega de sobra.

Virtus GTS 2 - Divulgação - Divulgação
Porta-malas de 521 litros está entre os maiores da categoria
Imagem: Divulgação

Lançado em 2018, o Virtus traz linhas modernas que ficaram bem atraentes com a roupagem esportiva da linha GTS. Além dos belos faróis full led com filetes vermelhos (idênticos aos do Polo GTI), o carro traz grade frontal exclusiva, para-choques mais agressivos e um charmoso detalhe acima do para-lama frontal com o logotipo da versão.

As rodas de 17 polegadas lembram as do Golf GTI e devem ganhar a companhia de um conjunto de 18 polegadas, idêntico ao que equipava os conceitos exibidos no último Salão do Automóvel de SP.

Internamente, as exclusividades estão no volante de três raios com base achatada e logotipo GTS e nos confortáveis bancos do tipo concha, que trazem encostos de cabeça incorporados ao assento e um revestimento inspirado no antigo Gol GT.

Há ainda costuras aparentes na cor vermelha no volante e na coifa do câmbio. Assim como outros modelos da VW (inclusive mais caros), o Virtus peca pelo uso excessivo de plástico duro, especialmente nas portas.

Por conta da boa distância entre eixos de 2,65 metros, o Virtus oferece bom espaço traseiro para pernas e joelhos. A curvatura do teto não chega a atrapalhar pessoas mais altas e o porta-malas de 521 litros está entre os maiores da categoria.

Virtus GTS 6 - Pedro Danthas/Divulgação - Pedro Danthas/Divulgação
Câmbio de 6 marchas tem calibragem própria, segundo a VW
Imagem: Pedro Danthas/Divulgação

Não pense que a VW apenas "transplantou" motor e câmbio do T-Cross para o Virtus GTS. A empresa afirma que central eletrônica do motor e transmissão receberam calibragens exclusivas.

A suspensão também foi recalibrada, embora sua altura tenha sido preservada para não prejudicar o conforto. Parece estranho (e realmente é) ver um esportivo tão alto, mas na prática a diferença é nula. Com a vantagem de ser um esportivo perfeitamente utilizável na buraqueira do dia-a-dia.

Isso porque várias partes do carro, como molas, amortecedores, barra estabilizadora e eixo de torção traseiro, receberam ajustes específicos para tornar a condução mais responsiva e prazerosa.

No fim das contas, a receita se mostra acertada. O motor 1.4 TSI rende até 150 cv e 25,5 kgfm quando abastecido com etanol. Entrega respostas ágeis e consegue emocionar o motorista. A caixa de seis marchas trabalha de forma entrosada com o motor e entende rapidamente o que deve fazer - mais do que nas versões com motor 1.0 TSI.

Até mesmo o modo de emulador de ronco (que é realizado por meio de uma membrana posicionada entre a parede corta-fogo e o painel) que acompanha as rotações do motor cumpre bem seu papel. O comportamento dinâmico honra o bom histórico da VW: a carroceria rola muito pouco e o carro contorna as curvas com competência.

É bom também recorrer ao seletor de modos de condução, inclusive no modo Sport, em que a direção fica sensivelmente mais pesada. Entretanto, mesmo se a escolha for pelo modo Eco, o Virtus GTS diverte quem está ao volante.

O consumo agrada bastante - pelo menos quando movido a gasolina. Durante nossa avaliação, que incluiu trechos urbanos e uma rápida viagem de quase 100 quilômetros até o interior de São Paulo, conseguimos média de 14 km/l.

Virtus GTS 3 - Divulgação - Divulgação
Painel digital com grafismos em vermelho é exclusivo da linha GTS
Imagem: Divulgação

Por custar R$ 107.990, o Virtus GTS traz tudo que há de melhor na gama.

Por isso leia-se assistente de partida em rampas, bloqueio do diferencial traseiro, faróis full LED, controles de estabilidade e de tração, painel digital com grafismos na cor vermelha, seletor de modos de condução, central multimídia com tela de oito polegadas e suporte a Android Auto e Apple CarPlay, sistema de navegação por satélite (GPS), sensor de fadiga, ar-condicionado digital, direção elétrica, volante multifuncional com paddle shifts, destravamento das portas sem chave, partida do motor por botão e piloto automático.

Opcionalmente, o Virtus GTS pode vir com pintura metálica (R$ 1.585) e sistema de som Beats (R$ 2.200), que elevam a conta para R$ 111.775.

Virtus GTS 4 - Divulgação - Divulgação
Virtus GTS tem três primeiras revisões grátis
Imagem: Divulgação

Apesar de bem equipado, Polo e Virtus cometem um erro grave na segurança ao não trazerem airbags do tipo cortina. Atualmente, até modelos mais baratos (como o Chevrolet Onix) já oferecem seis bolsas infláveis de fábrica em todas as versões. Pelo menos as versões GTS são vendidas com o sensor de fadiga, que recomenda uma pausa quando identifica que o motorista está cansado.

De resto, o esportivo oferece o "pacote essencial" para um modelo deste valor, incluindo controles de estabilidade e de tração e assistente de partida em rampas.

Ponto positivo é que, assim como outros modelos da marca, o Virtus GTS traz as primeiras três revisões grátis. Quanto ao custo do seguro, vale a pena pesquisar bem, uma vez que as apólices de esportivos costumam ser mais caras.

Virtus GTS 5 - Divulgação - Divulgação
Custando quase R$ 108 mil, Virtus é mais caro que sedãs médios
Imagem: Divulgação

Sem concorrentes diretos no segmento, a versão esportiva do Virtus acaba dividindo atenção com modelos de outras categorias.

Dentro da VW, o Jetta 250 TSI (R$ 99.990) surge como alternativa maior, mais barata e com o mesmo conjunto motor/câmbio, porém menos equipada. Outro sedã médio e com motorização turbo é o Chevrolet Cruze LT (R$ 105.290).

E é sempre bom lembrar de Toyota Corolla GLi (R$ 107.990) e Honda Civic LX (R$ 102.200), ambos mais baratos do que o Virtus GTS.

Mecânica
  • Motorização

  • 1.4, 16V, 4 cilindros em linha, flex

  • Combustível

  • Etanol / Gasolina

  • Potência (cv)

  • 150

  • Torque (kgf.m)

  • 25,5

  • Aceleração de 0 a 100 (segundos) (km/h)

  • 8,7

  • Velocidade máxima (km/h)

  • 210

  • Consumo cidade (km/l)

  • 7,5 / 11

  • Consumo estrada (km/l)

  • 9,6 / 13,7

  • Câmbio

  • automático de 6 marchas

  • Tração

  • dianteira

  • Direção

  • elétrica

  • Suspensão Dianteira

  • independente, McPherson

  • Suspensão Traseira

  • eixo de torção

  • Freios Dianteiros

  • discos ventilados

  • Freios Traseiros

  • discos sólidos

Pneus e Rodas
  • Pneus

  • 205/50 R17

  • Rodas

  • 17 polegadas

Dimensões
  • Altura (mm)

  • 1476

  • Comprimento (mm)

  • 4492

  • Entre-eixos (mm)

  • 2649

  • Largura (mm)

  • 1751

  • Ocupantes

  • 5

  • Peso (kg)

  • 1255

  • Porta-malas (L)

  • 521

  • Tanque (L)

  • 52

Preço das Revisões, Seguro e Garantia
  • 10.000 km

  • grátis

  • 20.000 km

  • grátis

  • 30.000 km

  • grátis

  • 40.000 km

  • R$ 1.064,10

  • 50.000 km

  • R$ 500,80

  • 60.000 km

  • R$ 639,60

  • Seguro

  • R$ 3.200 (média)

  • Garantia

  • 3 anos

Equipamentos
  • Airbags Motorista

  • Airbags Passageiro

  • Airbags Laterais

  • Controle de Estabilidade

  • Controle de Tração

  • Freios ABS

  • Distribuição Eletrônica de Frenagem

  • Ar-Condicionado

  • Travas Elétricas

  • Ar Quente

  • Piloto Automático

  • Volante com Regulagem de Altura

  • Vidros Elétricos Dianteiros

  • Vidros Elétricos Traseiros

  • Central Multimídia

  • Rádio FM/AM

  • Entrada USB

  • Entrada Auxiliar

  • Banco de Couro

  • Banco do motorista com ajuste de altura

  • Desembaçador Traseiro

  • Computador de Bordo

  • Acendimento automático dos faróis

  • Faróis de neblina

  • Abertura elétrica do porta-malas

  • Bloqueio do diferencial