PUBLICIDADE
Topo

Mitsubishi Eclipse Cross: visual do SUV ainda é causa de discórdia nas ruas

José Antonio Leme

do UOL, em São Paulo (SP)

30/08/2021 04h00

Lançado em 2018 no Brasil, o Mitsubishi Eclipse Cross criou algumas polêmicas desde o início. A primeira por se "apossar" do nome Eclipse, referência de esportivo japonês no início dos anos 1990. Em segundo pelo seu design muito diferente e que acaba por criar polêmica e dividir opiniões.

A realidade é que se o nome já não afeta tanto mais os fãs da marca e dos esportivos que ela já produziu, o visual do carro continua a ser motivo de disputa.

O SUV médio da Mitsubishi passou a ser produzido no Brasil em dezembro de 2019. A versão de topo, HPE-S S-AWC, custa R$ 207.990, e também sai da fábrica de Catalão (GO), como as demais versões.

Disputando em um mercado cada vez mais concorrido e crescendo em termos de rivais no segmento de médios, que é a bola da vez, será que o Eclipse Cross tem qualidades para ter seu espaço?

Marcos Camargo/UOL

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S AWC

Carros
3,4 /5
USUÁRIOS
-
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Pontos Positivos

  • Dinâmica
  • Motor
  • Equipamentos

Pontos Negativos

  • Câmbio
  • Acabamento

Veredito

O Eclipse Cross chegou em 2018 com tecnologias que vários modelos da categoria só estão oferecendo agora, mas como todo carro ele tem seus pênaltis e defeitos. O modelo merecia um interior mais envolvente e moderno, apesar de ser confortável. O bom motor 1.5 turbo casaria melhor com um automático convencional e com a tecnologia flexível.

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S S-AWC - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

DESIGN E ESPAÇO INTERNO

O design é, de longe, a parte mais polêmica do Eclipse Cross. O modelo tem linhas com o DNA da Mitsubishi, mas a aposta de um conceito de SUV-Cupê, mas com linhas retilíneas e não mais curvadas, realmente causa espanto.

Por mais que seja polêmico, me agrada. O modelo tem um aspecto, dentro do que permitem as linhas gerais que conduzem os demais carros da marca japonesa, um visual esportivo e com personalidade.

A janela bipartida na tampa do porta-malas é diferente e depois que você se acostuma é até interessante em praticidade em algumas manobras para quem prefere não usar a câmera traseira. Na dianteira, a frente ainda está atual e moderna.

Por dentro, o acabamento é bom, mas vale uma pontuação negativa por ter, por exemplo, acabamento luminoso na cor laranja, algo bem datado como até o começo dos anos 2000, importante dizer.

No mais, o espaço é bom para quatro adultos, mas o teto rebaixado deixa menos espaço para a cabeça de quem vai atrás se a pessoa tem mais de 1,80 metro. O túnel central não é tão elevado, mas mesmo assim incomoda quem vai sentado no meio.

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S S-AWC - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

CONSUMO E DESEMPENHO

Equipado com o motor 1.5 turbo a gasolina que rende 165 cv e 25,5 mkgf ele está na média de outros concorrentes do segmento de SUV médios da categoria, como Taos e Compass. A transmissão é automática CVT que simula oito marchas e a tração integral.

Com esse conjunto, o Eclipse Cross tem consumo divulgado e disponível no Conpet (Etiquetagem veicular do Inmetro) de 10,2 km/l na cidade e 11,1 km/l, praticamente 1 km/l de diferença, o que é pouco se considerar que todo o conjunto usa tudo que deveria melhorar o consumo: câmbio CVT e motor turbo.

Mas o desempenho não é ruim, o motor 1.5 turbo tem bons números, mas não rende tudo que podia devido ao CVT, câmbio que, em qualquer carro, privilegia o consumo em detrimento de melhor rendimento.

Ainda assim, usando as aletas atrás do volante ou a troca de marchas manuais pelo câmbio, permite extrair um pouco mais do conjunto mecânico do Eclipse Cross.

O sistema de tração integral funciona por demanda e tem, além do modo automático, dois modos "Snow" e "Gravel", que servem para terrenos escorregadios ou terrenos irregulares com risco de atolamento, respectivamente.

A dirigibilidade é boa. O carro é bem estável, mas ainda tem um maior apreço pelo conforto, tanto na suspensão, quando na calibragem da direção, uma proposta bem para um SUV.

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S S-AWC - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

EQUIPAMENTOS

O Eclipse Cross é bem equipado na versão de topo. Tem chave presencial com partida por botão, mas incomoda que a porta só abre se apertar o botão na porta, não simplesmente por aproximação.

Há ainda ar-condicionado com duas zonas, banco do motorista com ajuste elétrico e com aquecimento para os dianteiros, ajuste de altura e distância do volante multifuncional, head-up display, que permite ver a velocidade em um pequeno projetor sobre o painel de instrumentos.

O pacote traz ainda revestimento de couro dos bancos, teto solar duplo, LEDs de condução diurna, freio de estacionamento eletrônico, leitor de pressão dos pneus e isofix, sistema mais seguro de fixação de cadeirinhas de bebê.

Por fim, conta com câmera de ré, sensores de chuva, luminosidade e de estacionamento traseiro e dianteiro, faróis altos automáticos e a central multimídia com tela sensível ao toque de 7".

Aqui, o problema, ao menos na unidade avaliada é que a interface da central não foi traduzida para o português, estava em espanhol, e para os padrões atuais tem uma tela pequena, mas permite integração a Android Auto e Apple CarPlay e usa um pad no console central para fazer os comandos se não quiser usar a tela, além de botões de atalho.

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S S-AWC - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

MANUTENÇÃO E SEGURANÇA

Em termos de segurança o Eclipse Cross ainda tem um conjunto bem atrativo. São sete airbags, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, leitor de tráfego traseiro cruzado e alertas de ponto cego.

A eletrônica faz boa parte com o piloto automático adaptativo (ACC), frenagem autônoma de emergência com detecção de pedestres e alerta de colisão frontal, além do leitor de faixa de rodagem, que dá um aviso sonoro caso o motorista saia da faixa de rolagem, mas não faz a correção como alguns veículos.

Há também o sistema de prevenção de aceleração involuntária. Ele usa os sensores de estacionamento e previne pequenas colisões a até 4 metros de distância se notar aceleração com o carro parado ou de até 10 km/h.

A manutenção do Eclipse Cross, nas seis primeiras revisões, sai por um total de R$ 6.726. Todas têm o mesmo preço de R$ 1.086, exceto a quarta revisão que sai por R$ 1.296. A diferença é pela troca do fluido de freio, que não está presente nas outras.

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S S-AWC - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

MERCADO

O Eclipse Cross ganhou mais capilaridade de mercado quando foi nacionalizado em 2019 e passou a contar com versões mais básicas, além da opção de topo aqui avaliada.

Mas o modelo raramente é lembrado na hora do cliente escolher uma compra de SUV médio, apesar de preços e equipamentos serem parecidos com outros modelos à venda.

O que pesa contra é a rede menor e o fato que o modelo já foi atualizado lá fora, tanto em termos de visual quanto de equipamentos que estão melhores, como uma central multimídia maior.

Inclusive, o novo visual deve aplacar algumas das críticas ao estilo, especialmente na parte traseira do SUV, que ficou mais sóbrio do que o atual, enquanto a frente pouco mudou.

Mitsubishi Eclipse Cross HPE-S S-AWC - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Mecânica
  • Motorização

  • 1.5, 4 cil., 16V, turbo

  • Combustível

  • Gasolina

  • Potência (cv)

  • 165 a 5.500

  • Torque (kgf.m)

  • 25,5 a 1.800 - 4.500

  • Aceleração de 0 a 100 (segundos) (km/h)

  • 11,4

  • Velocidade máxima (km/h)

  • 195

  • Consumo cidade (km/l)

  • 10,1

  • Consumo estrada (km/l)

  • 11,1

  • Câmbio

  • Automático, CVT, 8 marchas

  • Tração

  • Integral

  • Direção

  • Elétrica

  • Suspensão Dianteira

  • Independente, McPherson

  • Suspensão Traseira

  • Independente, Multilink

  • Freios Dianteiros

  • Discos ventilados

  • Freios Traseiros

  • Discos sólidos

Pneus e Rodas
  • Pneus

  • 225/55 R18

  • Rodas

  • 18? X 7?

Dimensões
  • Altura (mm)

  • 1685

  • Comprimento (mm)

  • 4405

  • Entre-eixos (mm)

  • 2670

  • Largura (mm)

  • 1805

  • Ocupantes

  • 5

  • Peso (kg)

  • 1603

  • Porta-malas (L)

  • 473 litros

  • Tanque (L)

  • 60

Preço das Revisões, Seguro e Garantia
  • 10.000 km

  • R$ 1.086

  • 20.000 km

  • R$ 1.086

  • 30.000 km

  • R$ 1.086

  • 40.000 km

  • R$ 1.296

  • 50.000 km

  • R$ 1.086

  • 60.000 km

  • R$ 1.086

  • Garantia

  • 3 anos

Equipamentos
  • Airbags Motorista

  • Airbags Passageiro

  • Airbags Laterais

  • Airbags do tipo Cortina

  • Airbags para joelho do motorista

  • Controle de Estabilidade

  • Controle de Tração

  • Freios ABS

  • Distribuição Eletrônica de Frenagem

  • Ar-Condicionado

  • Travas Elétricas

  • Ar Quente

  • Piloto Automático

  • Volante com Regulagem de Altura

  • Vidros Elétricos Dianteiros

  • Vidros Elétricos Traseiros

  • Central Multimídia

  • Rádio FM/AM

  • Entrada USB

  • Banco de Couro

  • Banco do motorista com ajuste de altura

  • Bancos com ajustes elétricos

  • Desembaçador Traseiro

  • Teto Solar

  • Computador de Bordo

  • Acendimento automático dos faróis

  • Faróis de neblina

  • Frenagem autônoma de emergência

  • Alerta de permanência em faixa

  • Sensor de pressão dos pneus

  • Sensor de pontos cegos

  • Alerta de colisão

  • Faróis com regulagem de altura

  • Bloqueio do diferencial

  • Sistema de estacionamento autônomo