PUBLICIDADE
Topo

Honda City: sedã fica mais tecnológico, mas novo motor 1.5 não empolga

José Antonio Leme

Do UOL, em São Paulo

15/12/2021 11h00

A Honda mudou completamente o City. Seu sedã compacto premium ganhou desde plataforma até um novo motor, mas todas as mudanças, de certo modo são tão sutis, que parecem apenas uma evolução.

O modelo feito em Itirapina (SP), ainda ganhou não-oficialmente uma função nada fácil: substituir o Civic que deixa de ser produzido aqui e vai se tornar um carro de nicho a partir da segunda metade de 2022.

Na versão de topo, Touring, avaliada por UOL Carros, o City custa R$ 123.100 (R$ 127.700 para SP) e ao mesmo tempo que tem um valor salgado e parece uma evolução em termos de visual e motor, dá um salto de tecnologia e equipamentos se comparados as gerações anteriores, que eram bem frugais.

Honda City

Carros
3,1 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Pontos Positivos

  • Equipamentos
  • Suspensões

Pontos Negativos

  • Desempenho

Veredito

O City deve ter uma melhora nos seus números. Tanto pela saída do Civic do mercado (por enquanto) quanto pelo salto de tecnologia e inovação que ele deu. A Honda demorou, mas fez uma bela mudança no seu sedã e vale dizer que antes tarde do que nunca nesse caso.

DESIGN E ESPAÇO INTERNO

Em termos de design, o City 2022 mudou o suficiente para ficar parecido com o Civic que está se despedindo, mas com linhas mais comedidas. O modelo está mais elegante, com mais presença que o anterior, mas não apelou a linhas tão ousadas quanto tinha o sedã médio.

O dono de sedã geralmente é um cliente conservador, então a Honda optou por não ousar tanto, especialmente para atender o aspecto familiar e não ficar tão polêmico quanto o último Civic nacional, que não agradou a gregos e troianos com sua aparência disruptiva para o segmento.

Com 53 mm a mais na largura e 94 mm no comprimento, o City compreende bem quatro adultos com cerca de 1,80 metro com muito conforto. Na frente os bancos acomodam bem e abraçam bem os ocupantes, atrás também há conforto.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

O motorista consegue encontrar a melhor posição de guiar, independente das suas medidas, já que os ajustes de banco são amplos em distância e altura; o volante tem ajustes amplos em altura, mas não em distância.

O porta-malas é um dos pontos altos do City: são 519 litros de capacidade, mais do que alguns modelos da categoria de sedãs médios, ou seja, carros maiores que ele.

A disposição dos espaço e porta-objetos é boa. O que incomoda é a inclinação da central multimídia, especialmente para quem gosta (ou precisa) guiar com o banco na posição mais baixa. A tela não fica tão clara na visibilidade, apesar de ser muito boa nas respostas.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

CONSUMO E DESEMPENHO

Sob o capô está uma das maiores novidades, mas que vai dar trabalho para o consumidor normal entender que é novo, que é o motor. Diferentemente do esperado, a Honda optou por um novo 1.5 flex ao invés do aguardado 1.0 turbo, versão menor do 1.5 turbo usado no Civic e no CR-V.

O 1.5 novo não tem peças compartilhadas com o antigo e sua principal novidade é o duplo comando variável de válvulas, ou seja, na abertura e no fechamento das válvulas, além da injeção direta de combustível.

A vantagem da injeção direta é proporcionar uma melhor queima do etanol ou gasolina, garantir menor geração de resíduos dentro do propulsor e como consequência disso tudo melhorar o consumo.

O novo propulsor rende 126 cv com etanol ou gasolina e torque de 15,8 mkgf e 15,5 mkgf, respectivamente. O antigo tinha 115 cv e 15,3 mkgf. Outra mudança está no câmbio: sai o antigo CVT e entra um novo, que simula 7 marchas com função Sport.

Na prática, o carro não apresenta uma diferença sensível no comportamento. O motor trabalha mais "liso" sem tanto atrito e com isso passa impressão de gerar também menor ruído que o anterior, especialmente quando exigido.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

O câmbio CVT funciona melhor em baixas rotações, onde com o duplo comando de válvulas consegue ser mais esperto no ciclo urbano. Quando se exige do motor e do câmbio, em alta, surge aquela característica morosidade da resposta do CVT.

Como se espera de todo Honda, a suspensão é firme, mas não chega a ser dura. O modelo consegue filtrar bem as imperfeições do piso, enquanto mantém a estabilidade nas curvas, mas sem grandes emoções.

A mesma avaliação serve para a calibragem da direção elétrica, que está em um limiar da calibragem mais direta que poderia ter, mas optou ainda pelo conforto, já que, em geral, o City é um carro familiar.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

EQUIPAMENTOS

Desde a versão de entrada o City 2022 traz chave presencial com partida por botão, central multimídia com tela de 8 polegadas e integração sem fio a Android Auto e Apple CarPlay e câmera de ré com faixas adaptativas.

A opção Touring é bem equipada, já que conta também com painel semi-virtual com tela de TFT colorido de 7", faróis e lanternas Full-LEDs e sensor de obstáculos dianteiro, além do traseiro.

Há ainda banco do motorista e volante multifuncional com ajuste de distância e altura, borboletas atrás do volante para troca de marchas e assistente de partida em rampa.

As rodas de liga leve estão disponíveis em todas as versões com a mesma medida, de 16", e o mesmo desenho. Há ainda sensor de pressão nos pneus com alerta no painel.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

MANUTENÇÃO E SEGURANÇA

Em termos de segurança, o City vem bem equipado, é preciso assumir. O modelo conta com seis airbags, ganhou os famigerados controles de tração e estabilidade, sem os quais nem poderia ser vendido a partir de 2022 no Brasil e muito mais na versão de topo, a Touring.

Um dos itens exclusivos dessa versão é o pacote Honda Sensing, presente no Civic e no Accord, por exemplo. Ele adiciona ao carro o ACC (controle de velocidade adaptativo), leitor de faixa com correção no volante e centralização, farol alto automático e frenagem autônoma de emergência.

Além disso, o City incorporou o sistema Lane Watch, para eliminação de ponto cego. É uma câmera integrada ao espelho retrovisor direito que, ao acionar a seta ou pressionar um botão na chave de seta, ativa o sistema e projeta a imagem na central multimídia.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

MERCADO

O City tem um público cativo e fiel dentro da marca, ao exemplo do que ocorria com o Civic. Quem está na marca não troca e muita gente troca um modelo pelo outro.

Com a chegada desta nova geração, mais completa e moderna, para quem não abre mão de mais tecnologia além dos outros predicados que o carro já oferecia, o City pode ganhar um novo público.

Com isso fica mais parelho ao VW Virtus especialmente. O Toyota Yaris que também seria um rival natural está um pouco abaixo em termos de espaço, desempenho e equipamentos.

Se vai ter ou não a missão de agradar antigos proprietários do Civic (a Honda diz que não é uma substituição), ele vai acabar se tornando uma opção para quem quiser trocar o antigo sedã médio e continuar dentro da marca japonesa, mas o tempo vai dizer se ele é bom para isso.

Honda City Touring 2022 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros

Mecânica
  • Motorização

  • 1.5, 4 cil, 16V

  • Combustível

  • Etanol / Gasolina

  • Potência (cv)

  • 126 a 6.200 rpm

  • Torque (kgf.m)

  • 15,8 / 15,6 a 4.600 rpm

  • Consumo cidade (km/l)

  • 9,2 km/l / 13,1 km/l

  • Consumo estrada (km/l)

  • 10,5 km/l / 15,2 km/l

  • Câmbio

  • Automático, CVT

  • Tração

  • Dianteira

  • Direção

  • Elétrica progressiva

  • Suspensão Dianteira

  • Independente, McPherson

  • Suspensão Traseira

  • Eixo de torção

  • Freios Dianteiros

  • Discos ventilados

  • Freios Traseiros

  • Tambor

Pneus e Rodas
  • Pneus

  • 185/55R16

  • Rodas

  • 16 polegadas

Dimensões
  • Altura (mm)

  • 1.477

  • Comprimento (mm)

  • 4.549

  • Entre-eixos (mm)

  • 2.600

  • Largura (mm)

  • 1.748

  • Ocupantes

  • 5

  • Peso (kg)

  • 1.170

  • Porta-malas (L)

  • 519

  • Tanque (L)

  • 44

Equipamentos
  • Airbags Motorista

  • Airbags Passageiro

  • Airbags Laterais

  • Airbags do tipo Cortina

  • Controle de Estabilidade

  • Controle de Tração

  • Freios ABS

  • Distribuição Eletrônica de Frenagem

  • Ar-Condicionado

  • Travas Elétricas

  • Ar Quente

  • Piloto Automático

  • Volante com Regulagem de Altura

  • Vidros Elétricos Dianteiros

  • Vidros Elétricos Traseiros

  • Central Multimídia

  • Rádio FM/AM

  • Entrada USB

  • Banco de Couro

  • Banco do motorista com ajuste de altura

  • Desembaçador Traseiro

  • Computador de Bordo

  • Acendimento automático dos faróis

  • Faróis de neblina

  • Frenagem autônoma de emergência

  • Alerta de permanência em faixa

  • Sensor de pressão dos pneus

  • Alerta de colisão

  • Faróis com regulagem de altura

  • Bloqueio do diferencial