PUBLICIDADE
Topo

CarnaUOL

Rio de Janeiro


Ícone da Portela há 77 anos, Tia Surica já trocou até noivo pelo Carnaval

Aos 81, Tia Surica faz parte da Velha Guarda da Portela - Divulgação
Aos 81, Tia Surica faz parte da Velha Guarda da Portela Imagem: Divulgação

Filipe Pavão

De Splash, no Rio

23/04/2022 04h00

Quem curte o Carnaval do Rio de Janeiro provavelmente já ouviu falar no nome de Tia Surica. Moradora de Madureira, baluarte da Portela e dona de uma das feijoadas mais famosas da cidade, aos 81 anos, ela é considerada uma lenda viva da cultura popular do Rio.

A história de Iranette Ferreira Barcellos, Tia Surica para o mundo do samba, começou em 17 de novembro de 1940 e não demorou muito para encontrar o samba. Filha de portelenses, aos 4 anos, ela já desfilava pela escola de Madureira presa à cintura da mãe, Judith, e acompanhada de perto pelo pai, conhecido como Pio.

O Carnaval é uma festa cultural e emocionante. Ajuda o povo a ganhar um dinheirinho e é o maior espetáculo da Terra
Tia Surica

Ainda na infância, o apelido Surica, um adjetivo usado para roupa curta ou apertada, foi dado pela avó e lhe caiu muito bem. Afinal, hoje, a Tia tem 1,47m de altura, mas muita história para contar sobre o samba e o Carnaval.

Em 1966, ela se tornou a primeira mulher a puxar um samba-enredo na Avenida e a levar o título para casa. Ela interpretou "Memórias de um Sargento de Milícias", único samba-enredo composto por Paulinho da Viola. Atualmente, é a única Pastora da Portela. As pastoras eram mulheres responsáveis por selecionar os sambas que seriam bem acolhidos e ensinar a comunidade a cantá-los.

"O Carnaval chegou na minha vida aos 4 anos, levada pelos meus pais, não resta dúvida. De lá para cá, estou até hoje. Já saí em vários lugares: de baianinha, de baiana, já fui intérprete do 'Memórias de um Sargento de Milícias', em 1966, voltei para as baianas de novo, agora, estou integrada à Velha Guarda da Portela", sintetiza Tia Surica em papo com o UOL.

Também já gravou discos em conjunto com outros nomes da Portela. Seu primeiro disco solo foi lançado em 2004, aos 63 anos, e produzido por Maestro Paulão 7 Cordas. Em 2015 ela foi eleita Cidadã do Samba, sendo a primeira mulher a ganhar esse prêmio. Prêmio importante que já teve como ganhadores, Paulo da Portela, Cartola, Xangô da Mangueira e outros.

A verdade é que o lugar de Tia Surica é onde está o Carnaval e a Portela. Ela, inclusive, terminou um noivado para desfilar pela agremiação azul e branco. Hoje, ela brinca que gostava muito do então noivo, mas o casamento com a Portela, a qual ela chama de "segunda família", foi melhor e dura até hoje.

Tia Surica desfila desde os 4 anos de idade - Luciola Villela/UOL - Luciola Villela/UOL
Tia Surica desfila desde os 4 anos de idade
Imagem: Luciola Villela/UOL

Viral nas redes

Tia Surica viralizou nas redes sociais no dia em que completou 80 anos em 2020. Por não poder fazer festa, ela organizou uma live na quadra da Portela para celebrar a data. Com a presença de Eduardo Paes, então candidato à Prefeitura do Rio, ela criticou Marcelo Crivella, quem comandava a cidade no momento e havia criticado o Carnaval publicamente.

"Aquele filho da p*** não pode ganhar", soltou a sambista, arrancando risos dos que estavam presentes. Um dia depois, Tia Surica afirmou que não se arrependia do que disse e voltou a criticar o então prefeito. "Não me arrependo. Ele [Crivella] acabou com o Rio de Janeiro. Não foi só com o Carnaval, não... Tem pessoas sem coragem de falar, que seguram e engolem. Eu falei e foi espontâneo", disse ao site Setor 1.

"Quem não gosta do samba, bom sujeito não é. É ruim da cabeça ou doente do pé", completa Tia Surica, hoje, ao comentar sobre quem tenta reprimir o samba e o Carnaval.

Saudade dos desfiles

Tia Surica não esconde a felicidade de voltar a desfilar, algo impossibilitado pela pandemia da covid-19 no ano passado. Mas depois de ser uma das primeiras cariocas a tomar a vacina em fevereiro de 2021, fazer campanha pela imunização junto a Prefeitura do Rio e completar o esquema vacinal devidamente, ela está preparada para voltar à Avenida.

"Fiquei muito constrangida por não desfilar no ano passado. Ninguém ficou satisfeito. É uma coisa que está no sangue. E ficar sem desfilar um ano... Mas, também, vamos à forra neste ano. Vamos com tudo", diz Tia Surica, animada.

Ela ainda explica como vai ser a sua participação no desfile de logo mais. A Portela é a segunda escola a desfilar hoje, sábado de Carnaval fora de época. "Eu venho no primeiro carro, no abre alas. Tenho certeza que a minha escola vai fazer um bom carnaval e um bom desfile. É só aguardar no sábado", detalha.

Feijoada: patrimônio do Estado do Rio

Não dá para falar de Tia Surica sem citar a famosa feijoada da portelense. O prato é tão famoso que se tornou Patrimônio Histórico e Cultural do Estado do Rio de Janeiro em novembro de 2021. A honraria foi oficializada no dia do aniversário de 81 anos da artista.

Me sinto muito lisonjeada. Vim de uma família pobre, aos poucos fui me aperfeiçoando, me dedicando e cheguei onde estou. Mas sempre com o pé no chão
Tia Surica

Diversos famosos já passaram pelas rodas de samba e feijoadas realizadas no "Cafofo da Surica", como é chamada sua casa, ou no Teatro Rival, no Centro da cidade. Dentre eles, Marisa Monte, Paulinho da Viola, Teresa Cristina e Beth Carvalho.

No entanto, para a apuração deste ano, que acontece na terça-feira (26), ela deve preparar um prato diferente aos amigos. "A apuração vai ser aqui em casa. É a segunda Portela. Vamos fazer um mocotó, eu acho", adianta.