PUBLICIDADE
Topo

CarnaUOL

Rio de Janeiro


Conheça a musa do Carnaval do Rio que pilota carretas

Marcela Porto tem uma empresa de transporte de minérios no RJ e pilota carretas e equipamentos pesados - Allan Bertozzi/Divulgação
Marcela Porto tem uma empresa de transporte de minérios no RJ e pilota carretas e equipamentos pesados Imagem: Allan Bertozzi/Divulgação

Renata Nogueira

Do UOL, em São Paulo

20/04/2022 04h00

Marcela Porto desfila hoje no Rio de Janeiro como madrinha de bateria da Unidos da Ponte. É a primeira vez que a agremiação da Série Ouro terá uma mulher transexual no posto. A empresária só topou desfilar neste ano com a condição de ser — mais uma vez — pioneira.

"Sempre gostei de ser destaque em tudo. Eu sou a primeira ring girl trans do MMA Combat, sou a primeira trans caminhoneira. Não queria nada que alguém já tinha sido. A Ariadna [ex-BBB] já tinha sido rainha de bateria. Teve a Eloina dos Leopardos em 1976 na Beija-Flor. E madrinha ninguém nunca tinha sido", explica Marcela.

Não é a primeira vez dela no Carnaval, no entanto. Marcela já tinha desfilado em 2000 em uma ala da Caprichosos de Pilares, acompanhando sua irmã que foi madrinha de bateria da escola naquele ano. Em 2017, após a transição, ela chegou a terminar o casamento para sair como musa da Inocentes de Belford Roxo. "Na época tinham pouquíssimas musas trans. Sinto que abri portas."

Aos 47 anos, Marcela Porto diz que hoje é um orgulho ver tantas mulheres trans no Carnaval e celebra a mudança de pensamento sobre elas.

Antes de sua transição, a própria confessa que tinha certos preconceitos por não ver tantas mulheres como ela na mídia. "Sou antiga, já passei dos 40 anos. Sou daquele tipo que achava que travesti ia cortar a cara, matar. Minha mãe falava isso para mim. Quando você vir uma travesti atravessa a rua que ela vai cortar sua cara. Eu tinha pavor de travesti nessa época."

O medo vinha das referências ruins que chegavam para ela. "Hoje é legal essa alegria que estamos levando para a Avenida. As pessoas veem que trans é uma mulher normal. Tem mulher que não vale nada, tem mulher bandida, tem mulher maravilhosa, tem médica, dona de casa, caminhoneira como eu. Então depende do caráter, não é porque é trans que não presta, que é prostituta."

Apesar de ter quebrado seu próprio preconceito, Marcela Porto ainda tem receio do julgamento alheio, principalmente pelo tema do desfile da escola que a abraçou neste ano. A Unidos da Ponte vai homenagear a Irmã Dulce, freira baiana que virou santa em 2019 e hoje é conhecida como Santa Dulce dos Pobres.

"A história dela é muito bonita. Me sinto muito lisonjeada, mas também com medo. Porque eu sou uma trans falando de um tema religioso. Tenho medo do que pode acontecer depois do desfile", admite.

porto - Allan Bertozzi/Divulgação - Allan Bertozzi/Divulgação
Marcela Porto, madrinha de bateria da Unidos da Ponte, do Rio
Imagem: Allan Bertozzi/Divulgação

Focada no desfile de hoje, Marcela investiu R$ 22 mil em sua fantasia de Carnaval. O dinheiro é fruto do seu trabalho como carreteira na própria empresa, profissão do pai e dos irmãos que ela também seguiu e se orgulha de falar sobre.

"Carreta é gigante, minha categoria é a máxima que o caminhoneiro tem, a categoria E. São 16 pneus. Também sou operadora de máquinas pesadas, piloto retroescavadeira. Eu trabalho com minério, vendo pedra, areia, areola. Coordeno os caminhões e também dirijo. Sou folguista da minha própria empresa, se não tem motorista eu mesma vou e levo", conta.

Passado o Carnaval, Marcela deve continuar seu trabalho nas redes sociais, onde é conhecida como Mulher Abacaxi e soma 457 mil seguidores, mas admite que o foco continuará nos caminhões. "A vida toda meu sustento foi caminhão. A vida como influenciadora é muito pouco perto do que ganho com meus caminhões."