PUBLICIDADE
Topo

Diretor de bateria da Gaviões da Fiel é afastado após agressão contra ex

Do UOL, em São Paulo

09/09/2021 12h46Atualizada em 09/09/2021 13h59

O diretor da bateria da escola de samba Gaviões da Fiel, Claudimir Antonio Teixeira, foi acusado pela ex-mulher, Mayara Calderone, de ter tê-la agredido na porta de casa. O caso ocorreu no dia 29 de agosto, quando os filhos retornavam de um final de semana com o pai. Segundo Mayara, ela possui uma medida protetiva que foi estabelecida há três anos e que foi descumprida na data da agressão.

Em publicação nas redes sociais na terça (7), Mayara compartilhou um vídeo em que mostra o momento em que o ex-marido e a atual mulher vão ao seu encontro. Ao UOL, ela explicou que, apesar da restrição, nunca impediu que os filhos, de 8 e 9 anos, tivessem contato com o pai.

mayara - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Mayara foi agredida na porta de casa pelo ex-marido e a atual mulher dele
Imagem: Reprodução/Facebook

"Como tem a medida protetiva, o nosso contato é restritamente por e-mail. Eu já tinha encaminhado um e-mail para ele falando que eu estava a caminho, sugerindo que ele levasse as crianças um pouco mais tarde. Eu fiz isso por uma questão preventiva, para justamente não ter que me encontrar com ele na porta do prédio", contou.

Mayara chegou antes do horário previsto, mas acabou recebendo um recado do porteiro afirmando que as crianças haviam chegado mais cedo. "Eles [ex-marido e esposa] estavam bem na porta do meu prédio e começaram a me xingar. Eu nunca tinha visto a mulher dele antes, eu nem sabia quem era. A partir disso ela começou as agressões e, depois, vieram também dele."

Nas imagens, Mayara aparece sendo prensada em um veículo branco estacionado na rua. Ela conta que recebeu pancadas na cabeça e acabou ficando desnorteada diante da situação. "Tem coisas que eu vou lembrando por meio de declarações dos meus filhos, que presenciaram tudo", diz. "Levei pancada na cabeça, no rosto. Até teve um momento que ele me arrastou pelo chão que eu nem lembrava. Fui ver pelo vídeo."

O filho mais velho tentou ainda pedir socorro para o irmão, que mora próximo de Mayara. "Tem um áudio dele tentando falar com o meu irmão, pedindo ajuda. Ele relata que 'o papai colocou a cabeça da mamãe no asfalto, estava ajoelhado em cima da cabeça dela'", diz Mayara.

Ainda, segundo Mayara, ela foi registrar um boletim de ocorrência sobre as agressões, mas precisou passar antes em uma UPA para receber os primeiros cuidados.

No dia seguinte, tentou registrar a agressão na Delegacia da Mulher, mas sem sucesso. Ela acabou descobrindo que o casal havia registrado um outro boletim de ocorrência contra ela, indicando que ela teria iniciado as agressões. O registro de Mayara acabou sendo efetuado no 8º DP de Osasco. Agora, ela busca as medidas cabíveis para evitar que seja vítima de mais agressões.

À TV Globo, Claudimir afirmou que Mayara teria brigado com a sua atua mulher, o que teria causado a cena. Ele ainda informou que "vai provar sua inocência na Justiça", nas palavras dele. O UOL tentou contato com o diretor da bateria, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Em nota enviada ao UOL, a Gaviões da Fiel afirmou que "não compactua com nenhum tipo de violência" e que o diretor foi afastado das atividades. Ainda, segundo a agremiação, o caso está sendo analisado para uma possível expulsão de Claudimir.

"A diretoria dos Gaviões da Fiel lamenta o episódio e não compactua com nenhum tipo de violência. Afastamos imediatamente o diretor de suas funções e o caso já está com o nosso conselho deliberativo para a expulsão do quadro associativo da entidade. A violência contra a mulher é algo inaceitável e não aceitaremos jamais esse tipo de conduta", diz nota.

Ontem, pelas redes sociais, a escola de samba fez uma campanha para o combate à violência contra a mulher.