PUBLICIDADE
Topo

Passista anã da Viradouro celebra título: 'Só saio da escola se eu crescer'

A passista Viviane de Assis, da Viradouro - Rafael Godinho/UOL
A passista Viviane de Assis, da Viradouro Imagem: Rafael Godinho/UOL

Rafael Godinho

Do UOL, no Rio de Janeiro

27/02/2020 15h44

Passista da Viradouro, Viviane de Assis, de 40 anos, 13 deles dedicados à comunidade, ficou de "alma lavada" com a vitória verde branca no Carnaval do Rio 2020. Durante a comemoração da agremiação niteroiense na quadra da escola, na noite desta quarta-feira (26), Vivi, que tem nanismo, falou com emoção sobre o título.

"Nem sei descrever o que estou sentindo. A Viradouro é uma família para mim. Já era apaixonada pela comunidade, agora só saio da escola se eu crescer", brinca a musa, que mede 1,25m e veio à frente da ala das passistas, representando o pássaro de Abaeté.

"Sou suspeita a falar, mas a Viradouro fez por merecer esta vitória. Depois de chegar perto várias vezes, conquistamos o campeonato. Agradeço muito ao meu diretor querido da ala das passistas, Valcir Pelé, por essa oportunidade", comemora.

Vivi é casada com o segurança Jhones Wallace, de 1,93m de altura. Para ela, não existe preconceito no amor. "Já ficamos juntos uma vez e nos separamos. Voltamos há um ano. Quando o mel é bom, a abelha sempre volta", diz ela, parafraseando a canção de Simone e Simaria.

Além do posto na Viradouro, a passista é musa da Embaixadores da Alegria, escola para pessoas com deficiências físicas. "O trabalho deles é muito bonito e tenho orgulho de representar essa escola também", justifica Vivi, mãe de Paulo Rodrigo de Assis, de 18 anos, que é mestre sala dos aprendizes do Salgueiro.

Rio de Janeiro