PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Galo estreia com 500 mil foliões em São Paulo e anuncia volta em 2021

Marley Galvão

Do UOL, em São Paulo

25/02/2020 16h50

Um Galo da Madrugada compacto, mas nem por isso menos intenso. Ao contrário. Com uma estrutura grande, porém longe da realidade pernambucana, afinal lá já são 43 anos de história, um dos blocos mais tradicionais de Recife conquista o paulistano que debaixo de um sol forte não arredou o pé da folia.

Segundo dados oficiais da prefeitura, 500 mil pessoas foram ao desfile de estreia — a expectativa era de 40 mil. Não houve, também, nenhum registro de ocorrências e incidentes graves por parte da Polícia Militar, Serviços Médicos e Brigadistas.

"É grande nossa expectativa para essa estreia. Mas será de uma forma mais descontraída, vamos nos ajustando ao público", disse Rodrigo Menezes, vice-presidente do Galo, completando que "o amor do pernambucano pelo Galo é igual ao amor do brasileiro por futebol", brincou ele em entrevista ao UOL.

Para entrar em campo, o Galo convocou Fafá de Belém a repetir a dupla com Gustavo Travassos, filho do fundador e cantor oficial do bloco. Entre as pausas da dupla, Netinho Ventura e Márcia Barros animavam a multidão com músicas de Chico Science, por exemplo.

Logo atrás, no trio de André Rio, outra pernambucana, Gerlane Lopes, reforça as vozes que levam o público ao delírio com muito frevo, marchinhas, samba. Teve até mesmo Fafá cantando o hino nacional em ritmo de samba. "Ficou ainda mais bonito e bem brasileiro", disse Gabriela Figueiredo, pernambucana que já viu o Galo em Recife e aprovou a versão paulistana e cantava todas as músicas do repertório.

Na versão pocket, o bloco trouxe 150 pessoas, bonecos tradicionais do Carnaval pernambucano, duas versões do Galo, a maior com 4,5 metros, e uma carreta de Recife. "É uma operação grande. Mas desde 2011, quando começamos no Carnaval de rua de São Paulo e acordamos esse gigante, tínhamos o sonho de trazer o Galo, que é um símbolo do Carnaval brasileiro", disse Alan Edelstein, um dos organizadores do evento a frente da Oficina de Alegria

Após 4h30 de muita animação, o Galo chegou ao ponto de dispersão com a certeza de que ciscar em outros terrenos vale a pena. "A ideia é construir o Galo aqui. Assim ele será maior:, revelou Alan sobre o Carnaval de 2021. "Mas já ouvi de algumas pessoa que ele não pode ser maior do que o de Recife", brincou. Em uma frase, o pernambucano Rodrigo Menezes concluiu emocionado sobre a estreia do Galo. "Foi foda!".

São Paulo