PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro

Jesus é mulher negra? Desfile da Mangueira divide a web

A rainha de bateria Evelyn Bastos veio representando Jesus crucificado - Júlio César Guimarães/UOL
A rainha de bateria Evelyn Bastos veio representando Jesus crucificado Imagem: Júlio César Guimarães/UOL

Do UOL, em São Paulo

24/02/2020 00h58

A Mangueira contou a história de Jesus Cristo no desfile deste ano na Marquês de Sapucaí. Como se religião no Carnaval não provocasse polêmica, a atual campeã do Grupo Especial escalou Evelyn Bastos, uma mulher negra, para interpretar o líder máximo do cristianismo.

Antes do desfile começar, Evelyn inflamou o debate com uma declaração na Globo: "Se fôssemos ensinados que Jesus poderia ser uma mulher, será que estaríamos no topo do feminicídio?".

O Jesus da favela foi enquadrado pela polícia e também impactou o público.

Quem torce por outras escolas de samba também aplaudiu a Mangueira...

... e provocou debates na família tradicional brasileira.

O público também percebeu aquela indireta ao presidente Jair Bolsonaro.

Porém, houve quem achou uma "blasfêmia" Jesus ser representado por uma mulher.

Mangueira foi chamada até de Satanás!

Rio de Janeiro