PUBLICIDADE
Topo

São Paulo terá "Anjos do Carnaval" em campanha contra assédio e violência

Colaboração para o UOL

Em São Paulo

13/02/2020 12h34

O Carnaval em São Paulo vai contar, pelo segundo ano consecutivo, com uma ação especial para as mulheres vítimas de assédio. A força-tarefa "Anjos do Carnaval" estará nos blocos de rua, com uma equipe voluntária e treinada para acolher e orientar as vítimas de assédio ou violência e ajudar a identificar os culpados.

Os voluntários estarão presentes em todos os dias do Carnaval, de sábado a terça-feira, próximos aos blocos com maior concentração de foliões.

Haverá também o Ônibus Lilás, cedido pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania especialmente para a campanha, e outros cinco pontos de atendimento fixos. Todos terão técnicas da prefeitura capacitadas para atuar na orientação e no atendimento de vítimas de assédio.

As vítimas poderão ser encaminhadas à Casa da Mulher Brasileira, programa de combate à violência contra a mulher que funciona 24 horas, onde poderão registrar Boletim de Ocorrência e receber informações mais detalhadas.

"Este ano é um marco: estamos na quinta edição da campanha #CarnavalSemAssédio. Diferentemente de 2016, quando tudo começou, podemos afirmar que esta se tornou pauta obrigatória quando se fala em Carnaval. Assédio não deve ser tolerado em situação nenhuma e nosso objetivo é mostrar que isso deve ser aplicado a cada bloco, a cada desfile, a cada baile", afirma Paula Lago, responsável pela campanha na Catraca Livre.

Abrangência

Anjos do Carnaval é uma ação da Catraca Livre, em parceria com a produtora Rua Livre e a Prefeitura de São Paulo e com apoio oficial da 99, Em 2020, a ação dos Anjos foi expandida para outras quatro cidades além de São Paulo, casos de Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro e Salvador.

Outro diferencial deste ano é a abrangência. Pela primeira vez, homens héteros serão incluídos na ação. Voluntários selecionados receberão treinamento do consultor Sérgio Barbosa, especialista em masculinidades e violência de gênero, e farão parte da equipe.

Além da Catraca Livre, da Rua Livre e da prefeitura, a ação conta com uma ampla rede de parceiros que inclui o Ministério Público do Estado de São Paulo, a ONU Mulheres, a Comissão da Mulher Advogada (OAB), os coletivos Não é Não e Mete a Colher, a ONG Engajamundo, a Rede Nossas e a Change.Org.

Os blocos que quiserem apoiar a campanha podem conferir detalhes aqui e mandar email para cidadania@catracalivre.com.br.

Blocos de Rua