PUBLICIDADE
Topo

"Fui a última a saber", diz dona de camarote sobre Anitta e Neymar

A empresária Carol Sampaio volta para mais um Carnaval com o Nosso Camarote, um dos mais populares da Sapucaí - Wanderson Monteiro
A empresária Carol Sampaio volta para mais um Carnaval com o Nosso Camarote, um dos mais populares da Sapucaí Imagem: Wanderson Monteiro

Guilherme Machado

Do UOL, em São Paulo

11/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Carol Sampaio, dona do Nosso Camarote, fala sobre os preparativos para o Carnaval 2020
  • Ela explica o motivo de seu sócio, o ex-jogador Ronaldo Fenômeno, não estar mais na parceria este ano
  • A empresária também fala sobre como é lidar com famosos durante o evento
  • Carol lembra o episódio do beijo entre Anitta e Neymar no camarote e diz que foi "a última a saber"

Uma das maiores promoters do Rio de Janeiro, Carol Sampaio volta para mais um Carnaval com o Nosso Camarote, um dos mais populares e requisitados da Sapucaí. Mas, em 2020, ela não contará com o apoio de seu sócio de anos: o ex-jogador Ronaldo Fenômeno. Ele decidiu deixar a parceria, em um processo que a empresária descreve como amigável.

"Chegou um momento em que a prioridade do Ronaldo, como já esperado, é o Valladolid [clube de futebol comprado pelo ex-jogador]. Ele não teria nem a data para vir este ano para o Carnaval. E o Carnaval demanda um esforço e uma dedicação enormes. Mas está tudo certo. Ele continua sendo um dos meus melhores amigos, só que cada um focado no seu projeto de vida agora. Isso que é amizade, cada um entender o momento da vida do outro. Se no ano que vem mudar alguma coisa estaremos juntos de novo!", esclarece Carol ao UOL.

Ronaldo Fenômeno e Carol Sampaio no Nosso Camarote. O ex-jogador deixou a pareceria neste ano -  RT Fotografia/Brazil News/CS Eventos Divulgacao
Ronaldo Fenômeno e Carol Sampaio no Nosso Camarote. O ex-jogador deixou a pareceria neste ano
Imagem: RT Fotografia/Brazil News/CS Eventos Divulgacao
Agora, ela está focada mesmo nos preparativos da festança deste ano. Quando atendeu à reportagem, ela contou que já estava exausta, mas continuava trabalhando.

Anitta e Neymar

Todo ano diversas celebridades marcam presença no camarote de Carol, a queridinha dos famosos, e isso só aumenta e a pressão e os olhares da mídia. No ano passado, por exemplo, o espaço de Carol na Sapucaí se tornou o centro das atenções quando saiu a notícia de que Anitta e Neymar se beijaram lá.

Carol garante que a correria é tanta que ela nem tem tempo para ficar sabendo dessas questões.

"Quando eu fazia só a lista acho que até isso pesava mais para mim; hoje, como eu tenho que cuidar de tanta coisa, tem coisas que nem vejo. Quando aconteceu esse episódio, eu estava lá atrás no camarim, fui a última a saber. Teve uma outra coisa que me perguntaram e falei: Nessa hora estava no janelão com cliente. Eu estou lá focada em mil coisas, parece que é mentira, mas não é. Os babados, fofocas, fico sabendo no dia seguinte", enfatiza.

Além disso, comparado a outros perrengues que a promoter já passou durante o Carnaval, lidar com famosos é fichinha. Ela lembra no primeiro ano de seu camarote, por exemplo, quando uma crise de fadiga renal acabou provocando uma septicemia e a colocou no hospital na véspera da festança.

"Eu saí diretamente de um CTI para a Sapucaí. Foi a maior prova de amor pelo trabalho, mas ao mesmo tempo a maior prova de guerra que tive na minha vida. Ia para o camarote, trabalhava à base de remédio, voltava, fazia o venoso, descansava um pouco. Meu primeiro ano foi assim. No segundo eu passei praticamente 72 horas sem dormir, dormindo uma hora por dia. Acho que faz parte", relembra ela.

Entre as dificuldades, Carol se orgulha de seu esforço para organizar o Carnaval e fala que apesar de todos os estresses, no final, vale a pena.

Acho que foi um grande passo na minha vida profissional, deixar de ser só uma promoter e virar uma empresária. Acho que o camarote selou meu nome nesse momento da minha vida. Hoje em dia já está praticamente 100% esgotado antes de começar o Carnaval, acho que isso dá um prazer que não tem preço. Escolhi certo o que fiz, faço direito. Por mais que não durma, que eu fique muito cansada, estressada, virou um trabalho sério, de gente grande, quando acaba o Carnaval sinto aquele prazer: Caraca, olha o que eu fiz.

Rio de Janeiro