PUBLICIDADE
Topo

Blocos de Rua

Atriz Zezé Motta canta samba de João Nogueira no bloco Ilú Obá De Min

Zezé Motta no bloco Ilú Obá De Min - Nelson Anoine/UOL
Zezé Motta no bloco Ilú Obá De Min Imagem: Nelson Anoine/UOL

Anahi Martinho

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/01/2020 19h51

Por volta das 19h, as 100 instrumentistas do Bloco Pagu deram espaço aos Orixás de pernas de pau do Ilú Obá De Min, bloco que celebra a cultura afro, durante o Cortejo Modernista que deu início ao pré-carnaval no Centro de São Paulo na noite deste sábado, 25 de janeiro.

No trio elétrico, Zezé Motta contou a história da igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, onde havia um cemitério de negros e um batuque noturno que logo foi proibido pelas autoridades.

Em seguida, entoou à capella o samba "Minha Missão", de João Nogueira e Paulo César Pinheiro, eternizado na voz de Clara Nunes. A interpretação levou os foliões às lágrimas.

"Canto para amenizar a noite / Canto pra denunciar o açoite / Canto também contra a tirania", diziam os versos.

Entusiasmado pela luta

Vestindo terno e chapéu brancos no figurino de Mário de Andrade, Pascoal da Conceição trazia nas mãos um buquê de margaridas. "São para a Anita Malfatti, mas também para a Pagu e, claro, para a Zezé Motta", disse, emocionado, após a apresentação da cantora.

Curtindo o desfile do Ilú Obá de Min, o ator afirmou que a performance de hoje foi um ensaio para viver o escritor de Macunaíma em 2022, nas comemorações do centenário da Semana de Arte Moderna.

"Acredito que a Semana de Arte Moderna de 1922 foi o momento mais importante para a cultura de São Paulo, para a cultura do Brasil e do mundo", disse o ator.

"Num momento em que a cultura se faz tão necessária como o pão nosso de cada dia, eu me sinto dentro da luta, me sinto entusiasmado pela luta", encerrou o ator, entregando as margaridas a Zezé.

Blocos de Rua