PUBLICIDADE
Topo

Carnaval 2020: Viradouro homenageará mulheres que lutaram pelo Brasil

Lore Improta é musa da Viradouro - Wagner Rodrigues
Lore Improta é musa da Viradouro Imagem: Wagner Rodrigues

Colaboração para o UOL

Em São Paulo

21/01/2020 18h52

A Unidos do Viradouro homenageará as mulheres que lutaram para construir o Brasil, em seu tema para o Carnaval 2020, com o samba-enredo "Viradouro de Alma Lavada" - veja a letra da música abaixo.

Pelo sétimo ano seguido, Raissa Machado será a rainha de bateria da escola. A modelo e empresária de 36 anos costuma publicar, em suas redes sociais, fotos dos ensaios, além de exaltar seu amor pela agremiação.

De acordo com a programação do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro, a Viradouro será a segunda escola a desfilar no domingo, dia 23 de fevereiro, com previsão de início entre 22h30 e 22h40. A agremiação de Niterói foi campeã uma vez do Grupo Especial, em 1997. No ano passado, terminou em segundo lugar.

SAMBA-ENREDO

Viradouro de Alma Lavada

Compositores: Cláudio Russo, Paulo Cesar Feital, Diego Nicolau, Júlio Alves, Dadinho, Rildo Seixas, Manolo, Anderson Lemos e Carlinhos Fionda.

LETRA

Ora yê yê ô oxum! Seu dourado tem axé
Faz o seu quilombo no Abaeté
Quem lava a alma dessa gente veste ouro
É Viradouro! É Viradouro!

Levanta, preta, que o Sol tá na janela
Leva a gamela pro xaréu do pescador
A alforria se conquista com o ganho
E o balaio é do tamanho do suor do seu amor
Mainha, esses velhos areais
Onde nossas ancestrais acordavam as manhãs
Pra luta sentem cheiro de angelim
E a doçura do quindim
Da bica de Itapuã

Camará ganhou a cidade
O erê herdou liberdade
Canto das Marias, baixa do dendê
Chama a freguesia pro batuquejê

São elas, dos anjos e das marés
Crioulas do balangandã, ô iaiá
Ciranda de roda, na beira do mar
Ganhadeira que benze, vai pro terreiro sambar
Nas escadas da fé
É a voz da mulher!

Xangô ilumina a caminhada
A falange está formada
Um coral cheio de amor
Kaô, o axé vem da Bahia
Nessa negra cantoria
Que Maria ensinou

Ó, mãe! Ensaboa, mãe!
Ensaboa, pra depois quarar

Rio de Janeiro