PUBLICIDADE
Topo

Cachorra com paralisia abandonada em porta de casa pode voltar a andar

Acolhida, Frida sofre com possível trauma - Acervo pessoal
Acolhida, Frida sofre com possível trauma Imagem: Acervo pessoal

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

22/10/2020 16h46

Uma cachorra com as patas traseiras paralisadas, que foi abandonada em frente a uma residência e resgatada pela faxineira do endereço, pode recuperar os movimentos dos membros inferiores. É o que afirma a veterinária que cuida do caso, que aconteceu em Jardinópolis (a 332 km de São Paulo), na região de Ribeirão Preto (SP).

Tudo aconteceu na última segunda-feira (19), mas resultados de exames realizados hoje apontam a boa notícia para o animal.

Suelen Bernardes Lopes conversava com a patroa na calçada da casa dela, no bairro São Marcos, quando viu um carro deixar um pedaço de pano na sarjeta.

"Tinha um volume esquisito, não era só um pano. Estranhei e fui ver", contou ao UOL.

A cachorra estava enrolada no pano. A faxineira percebeu que havia algo errado quando notou que ela não conseguia andar direito. "As patas traseiras estavam meio moles, aí notei que ela não as movimentava. Não ia deixar a cachorra no frio e na rua. Levei para casa, em Ribeirão Preto", disse. O nome Neguinha foi o primeiro que veio à cabeça, e assim ficou.

Novo nome, nova vida

Suelen publicou nas redes sociais que havia encontrado Neguinha na rua, e pedia ajuda para que alguém pudesse adotá-la.

"Tenho cinco crianças em casa e trabalho o dia todo fora, seria impossível eu dar a atenção que ela precisava. Tinha certeza que encontraria uma casa para ela", afirmou.

E encontrou. A protetora de animais Regina Maria da Silva entrou em contato com ela e, no dia seguinte, pegou a cachorra — rebatizada como Frida.

"Eu já tenho outros três cães e dois gatos especiais. Mas me apaixonei pela cadelinha. Resolvi que ela seria 'minha menininha'", explicou.

A cachorra tem aproximadamente um ano de idade. Segundo a protetora, é extremamente carinhosa e se deu bem com os outros animais da casa.

Regina levou a cachorra à amiga veterinária Mariane de Felício, em Ribeirão, para fazer uma bateria de exames. Foi constatado que Frida tem a doença do carrapato — que pode levar à morte se não tratada, mas tem cura — e está com anemia.

"Mas, no geral, ela apresenta bom estado de saúde. E realmente parece que ela foi abandonada por causa dessa dificuldade", aponta a médica.

Um boletim de ocorrência de abandono de animal foi registrado na delegacia. Imagens de câmeras de segurança de casas vizinhas ajudaram a polícia a identificar o dono do carro que abandonou Frida — a cachorra foi deixada pelo passageiro. Os dois devem prestar depoimento.

Possibilidade de recuperação

A veterinária contou à reportagem que Frida não tem paralisia desde pequena, mas que algum trauma a deixou assim. O laudo de um raio-x é aguardado para verificar se a cachorra sofreu alguma fratura.

"Pela minha experiência, ela foi não atropelada e perdeu temporariamente os movimentos. Ela não está 'acostumada' a andar sem as patas traseiras e não teve perda de massa muscular, sinais de isso possa ser revertido com tratamento", afirmou.

Não é possível dar prazo ainda, mas, por ainda ser considerada filhote, Frida pode ter uma recuperação rápida.

A médica afirma que ainda existe a possibilidade de ser pedida uma tomografia, caso o raio-x não mostre nenhum resultado conclusivo.

É um exame caro, e tanto ela quanto Regina pedem por colaborações. "Já conseguimos uma cadeirinha adaptada para ela, mas, se realmente o novo exame for necessário, precisaremos de mais ajuda", finaliza Mariane.

Mesmo se Frida não conseguir recuperar os movimentos, a protetora se diz realizada. "Não só por salvar um animal que estava em risco, mas por ser uma cachorrinha tão especial quanto a Frida", conclui.